Notícia. Terceirização é ferramenta de competitividade (Amcham) - Mannrich, Senra e Vasconcelos Advogados
6768
post-template-default,single,single-post,postid-6768,single-format-standard,eltd-core-1.1.1,averly-ver-1.3,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-main-style1,eltd-header-standard,eltd-fixed-on-scroll,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-slide-from-top,eltd-,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Notícia. Terceirização é ferramenta de competitividade (Amcham)

Terceirização é ferramenta para aumentar competitividade das empresas, diz professor da USP

A terceirização no mercado de trabalho é uma ferramenta para aumentar a competitividade das empresas, de acordo com o professor da Faculdade de Direito da USP e advogado trabalhista, Nelson Mannrich.

“Com ela, as companhias poderiam contratar uma prestadora de serviços especializada no core business e se dedicar às principais atividades do negócio”, explicou durante participação no comitê estratégico de Finanças da Amcham-São Paulo, em 16/07.

No entanto, ele ressalta a importância de rever o texto do projeto de lei nº 4330/2004, que regulamenta contratos de terceirização no país.

Para Mannrich, a subjetividade em alguns pontos do PL pode dar abertura para precarização das relações de trabalho. “A redação não é clara em algumas coisas, como o que pode ser terceirizado ou não. É subjetiva e dá margem a interpretações por parte dos aplicadores de direito”, destaca.

Uma fiscalização rigorosa também é fundamental para o funcionamento da terceirização e evitar a precarização, segundo o professor. “Algumas empresas querem reduzir custo a qualquer custo. Elas mantêm empregados que não são de direito e é uma situação lamentável. Faltam mecanismos eficientes”, comenta.

Sem Comentários

Deixar um comentário